Protesto de caminhoneiros: quatro são detidos e um fica ferido na Dutra, em Barra Mansa

Por Isabel Sodré, G1 Sul do Rio e Costa Verde

 

Na manhã desta segunda, congestionamento chegou a 6 km. Caminhões foram apedrejados e um agente da PRF agredido no trecho.

Uma manifestação de caminhoneiros interrompeu parcialmente o trânsito na manhã desta segunda-feira (10) na Via Dutra, em Barra Mansa, no Sul do Rio de Janeiro. Ao todo, quatro pessoas foram detidas, um caminhoneiro ficou ferido, cinco caminhões foram apedrejados e um agente da PRF foi agredido.

A Polícia Rodoviária Federal informou que durante uma abordagem a dois manifestantes na Dutra, em Barra Mansa, um deles se recusou a apresentar a documentação e tentou fugir, mas foi detido. Com isso, outros manifestantes cercaram a equipe e agrediram um dos agentes. Dois foram levados para a 90ª Delegacia de Polícia (Barra Mansa), onde foram ouvidos e liberados.

Ainda na manhã desta segunda, próximo ao km 265, dois homens foram presos por suspeita de apedrejar três caminhões. Os suspeitos, de 22 e 39 anos, foram levados para a delegacia, onde ficaram à disposição da Justiça.

Ainda de acordo com a PRF, por volta das 10h, um caminhoneiro foi atingido por uma pedra no sentido São Paulo, por não querer aderir ao movimento. Ele foi atendido no local e liberado. O veículo teve o vidro dianteiro estilhaçado.

Durante a madrugada desta segunda-feira, houve registro de quatro caminhões atingidos por pedras no para-brisa no mesmo trecho. Ninguém ficou ferido.

 

Trânsito: congestionamento e interdições

Por volta das 12h, o trânsito seguia sem retenções no trecho, assim como os acostamentos, que foram liberados em Barra Mansa, Piraí e Porto Real.

Segundo a concessionária que administra a rodovia, a Nova Dutra, o protesto começou às 5h19. Pela manhã, o congestionamento chegou a 6 km no sentido Rio de Janeiro — do km 276, próximo a Bocaininha, chegando ao km 282. A faixa da direita também chegou a ficar interditada e apenas veículos leves e ônibus seguiam viagem. Os manifestantes impediam a passagem de outros caminhões, liberando os veículos que transportavam alimentos perecíveis.

Até a atualização desta reportagem, uma equipe da PRF estava no local para auxiliar no trânsito. Os postos de combustíveis próximo ao trecho são ocupados por caminhões. A PRF não soube precisar quantos veículos estão estacionados, por causa da grande quantidade.

A PRF informou que o motivo da manifestação seria contra a decisão do Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, que proibiu, na última quinta-feira (6), a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) de multar por descumprimento da tabela do frete as transportadoras e empresas. Esse foi um dos motivos que fez os manifestantes da greve de maio deste ano de suspender a paralisação.

Questionada sobre os protestos desta segunda, a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) informou que a categoria tem convocado assembleias, mas que ainda não há decisão sobre greve ou paralisações. A organização diz que "discorda e está indignada" com a decisão do ministro Luiz Fux.

A Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) afirmou não participar dos protestos desta segunda-feira. Na sexta-feira (7), a organização divulgou nota emque se disse contrária a uma nova paralisação geral, mas que não poderia se opor à decisão dos caminhoneiros.

 

Outros protestos

Outros pontos da Rodovia Presidente Dutra foram ocupados por manifestantes na manhã desta segunda. Os protestos foram registrados no trecho do Vale do Paraíba e também no porto de Santos, em São Paulo, para evitar o acesso dos rodoviários aos terminais.

Nos dois, os manifestantes ocuparam parcialmente a pista e o trânsito chegou a fica congestionado.

Sentido Rio de Janeiro ficou congestionado na Dutra, em Barra Mansa — Foto: Arquivo Pessoal/Diego Gavazzi

Manifestação reflete no trânsito no sentido Rio da Dutra, em Barra Mansa — Foto: Arquivo Pessoal/Diego Gavazzi

Manifestação dos caminhoneiros afeta trânsito na Dutra, em Barra Mansa — Foto: Arquivo Pessoal/Diego Gavazzi

Fonte: G1

 

Fale conosco!

Tem alguma pergunta? nos envie uma mensagem.