Reajuste no diesel pesa mais para caminhoneiros porque tabela não funciona

Poder360 - 22/04/2019

Caminhoneiros em protesto no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha

Caminhoneiros em protesto no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil - 10.mai.2018

O cumprimento da tabela de frete rodoviário é uma das principais demandas dos caminhoneiros. O desrespeito aos preços mínimos faz os reajustes no preço do diesel pesarem mais no bolso da categoria e reduz o ganho esperado com as viagens.

A tabela de frete foi criada em maio de 2018 como parte de 1 acordo entre caminhoneiros e o governo do então presidente Michel Temer para dar fim à greve que paralisou o país. Feita às pressas, no entanto, ela foi fortemente contestada por setores da indústria e do agronegócio desde o início. Sua legalidade, inclusive, é alvo de ações no STF (Supremo Tribunal Federal).

Além de garantir preços mínimos ao frete rodoviário, a lei que instituiu a tabela estabelece que sempre que o preço do diesel variar mais de 10% os valores do frete serão atualizados. A ideia, assim, é que a remuneração dos caminhoneiros acompanhe as altas do combustível.

As dificuldades para implementação da política, no entanto, levaram o governo a rediscuti-la. Na semana passada, a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) colocou em consulta pública nova metodologia para o cálculo de pisos.

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, disse que o preço do diesel deixará de ser motivo de preocupação para os caminhoneiros quando colocado em funcionamento o novo sistema.

AUMENTO DO DIESEL PROVOCA INSATISFAÇÃO

A alta no preço do diesel tem levado a uma nova onda de movimentação entre os caminhoneiros. Em 11 de abril, a Petrobras anunciou o aumento de 5,7% no preço médio do combustível. Bolsonaro interveio e o reajuste foi suspenso. Na 4ª feira (17.abr), a estatal divulgou alta de 4,8%.

Apesar da insatisfação da categoria, o preço do diesel é menor hoje do que o registrado quando eclodiu a greve de 2018. Em maio do ano passado, o combustível era vendido nos postos ao valor médio de R$ 3,629. Em abril deste ano, o preço estava em R$ 3,53, uma redução de 2,7%.

O Poder360 preparou 1 infográfico mostrando a variação do preço do diesel e as discussões a respeito da tabela do frete:

O problema dos caminhoneiros não é só o diesel

Para tentar conter os ânimos, o governo anunciou na 3ª feira (16.abr.2019) 1 pacote de medidas a favor da categoria. Entre elas, estão a abertura de uma linha de crédito via BNDES e a liberação de R$ 2 bilhões para obras em estradas.

Muitas das propostas, no entanto, já eram conhecidas e não foram consideradas suficientes pelos caminhoneiros. Parte da categoria discute a possibilidade de uma nova paralisação para a próxima 2ª feira (29.abr.2019).

Uma nova reunião entre governo e caminhoneiros está marcada para esta semana para tentar debelar o risco de nova greve.

Fale conosco!

Tem alguma pergunta? nos envie uma mensagem.