Reforma trabalhista e tabela do frete geram oportunidades em logística

DCI - 06/03/2019

Nova legislação permite a tercerização de operações antes consideradas atividades-fim e abre mercado para o setor de transporte de carga, que apresenta recuperação após período crise

Equipamentos da Lafaete: companhia vai entrar no negócio de locação de veículos de transporte. FOTO: divulgação

Equipamentos da Lafaete: companhia vai entrar no negócio de locação de veículos de transporte. FOTO: divulgação

Após enfrentar uma dura crise, o setor de transporte rodoviário de carga demonstra recuperação e empresas encontram novas oportunidades de crescimento na reforma trabalhista e também no tabelamento do frete.

“Com a aprovação da reforma trabalhista, ocorreram mudanças que possibilitaram aos embarcadores a terceirização de todas as atividades, criando oportunidades para o mercado de logística”, avalia o diretor operacional (COO) da JSL Logística, Adriano Thiele.

A reforma trabalhista, aprovada no final de 2017, regulamentou aspectos da lei da terceirização que beneficiam a atividade da logística. O executivo explica que várias operações, como a colheita de madeira no setor florestal e o transporte de cana-de-açúcar para a usina, eram consideradas atividade-fim e não podiam ser executadas por terceiros. “Com a alteração, o embarcador vai poder focar na atividade dele e deixar a logística para uma empresa especializada, o que é uma grande vantagem.”

Thiele destaca que o serviço logístico, por ser diretamente ligado à atividade econômica, passou por um período bastante difícil durante a crise. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB do setor de transporte apresentou crescimento de 2,2%, consolidando uma recuperação iniciada em 2017, quando registrou avanço de 0,9%, após dois anos seguidos de queda: -4,3% em 2015 e -6,8% em 2016.

O executivo conta que, pela diversificação de serviços, a JSL conseguiu mitigar os impactos desse período. “Um setor acaba compensando o outro. Papel e celulose manteve um bom desempenho, enquanto outros tiveram queda.” Ele assinala que, desde o 2º semestre do ano passado, nota uma recuperação da economia. “Em um período de retomada, a logística é um dos primeiros setores beneficiados.”

No terceiro trimestre de 2018, a empresa reportou um lucro líquido acumulado de R$ 128,5 milhões. “Estamos animados para 2019, os números mostram essa retomada. O resultado dos primeiros nove meses do ano passado foi o maior lucro já apresentado pela companhia desde que abrimos o capital”, conta Thiele. A JSL irá apresentar o balanço anual consolidado em março e ainda não divulgou suas projeções de crescimento.

Tabelamento

Thiele afirma que, devido ao tabelamento do frete, diversos clientes começaram a avaliar ter frota própria de caminhões. “Nos colocamos à disposição para fazer estudos e apresentar soluções diferentes. Houve procura, mas poucos negócios concretizados.” Ele acredita que a locação de caminhões pode se beneficiar desse cenário. “Sentimos um aquecimento nesse segmento.”

A Lafaete, companhia que atua nos segmentos de locação, fabricação e venda de equipamentos para construção civil, infraestrutura e indústria, irá abrir uma empresa especializada em transporte. “Vamos entrar em operação nos próximos meses. A questão do tabelamento do frete nos mostrou uma oportunidade grande, as transportadoras estão tendo bastante movimento”, afirma o presidente da Lafaete, Alberto Silva.

Em 2018, a empresa registrou 14% de crescimento no faturamento e prevê expansão de 30% neste ano. “Tivemos uma queda na demanda no momento da crise e muitos projetos postergados começaram a sair do papel. A melhora econômica não deve ser tão expressiva, mas vejo que o pessimismo passou e a confiança vai gerar movimento”, conta.

Ele avalia que os setores da construção civil e da mineração vêm apresentando melhora e gerando demanda desde o ano passado. “Houve uma baixa de estoque de apartamentos, aumento da procura por crédito e acho que isso vai impulsionar bastante. Também tivemos muitas cotações para a mineração e as negociações estão avançando para fecharmos negócios esse ano.”

Silva aponta que a desativação de barragens construídas a montante, em consequência da tragédia de Brumadinho (MG), irá ocasionar uma grande demanda de máquinas. “Também estamos sendo procurados em função de obras de infraestrutura. Existe uma grande demanda reprimida.”

Fale conosco!

Tem alguma pergunta? nos envie uma mensagem.